ESCALA DIATÔNICA, HISTORIA E TEORIA

Inst e Vocal BR / /

Escala diatônica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Escala diatônica é uma escala de sete notas (heptatonica), com cinco intervalos de tons e dois intervalos de semitons entre as notas. Este padrão se repete a cada oitava nota numa seqüência tonal específica. A escala diatônica é típica da música ocidental e concerne à fundação da tradição da música européia. As escalas modernas maior e menor são diatônicas, assim como todos os sete modos tonais utilizados atualmente.

Histórico[editar | editar código-fonte]

As escalas que hoje em dia são conhecidas como escala maior e escala menor, na Era Medieval e no começo da Renascença, eram apenas dois dos sete modos litúrgicos (modos jônio e eólio, respectivamente). Na passagem da Renascença para o Período Barroco, a noção musical de tonalidade já se consolidava, baseada na ideia de uma tríade central em vez de uma nota simples como tom central de cada modo (finalis). As escalas maiores e menores dominaram a música ocidental até o início do Século XX, parcialmente porque os seus intervalos são perfeitos para reforçar a ideia da tríade central. Entretanto, a sonoridade modal sobreviveu por meio da música tradicional, popular e folclórica, sempre havendo inclusões no repertório erudito desde a era clássica, passando pela romântica (especialmente nos repertórios nacionalistas, novamente marcando a presença da música popular) até a música erudita do Século XX (com compositores como Debussy e Villa-Lobos, a beber dos modos da música oriental e indígena brasileira, respectivamente). A sonoridade modal se reinventou na música popular do século XX, sendo visível na escala do Rock, no Jazz e de maneira mais especial e recente com a chamada World Music, na busca de referências sonoras com a antiguidade e com a história antiga das civilizações (Inca, Índia, China, etc.).
Entretanto, a organização da harmonia da música clássica, a partir do Período Barroco é completamente fundamentada na organização harmônica advinda dos modos jônio e eólio, que fundamentam os dois sistemas harmônicos Maior e Menor.

Teoria da Escala Diatônica[editar | editar código-fonte]

Todas as escalas musicais empregadas na música ocidental não passam de variantes da escala diatônica. Ela teve origem na antiga Grécia.
O sábio grego Pitágoras acreditava que tudo no universo está governado pelos números. Ele notou que, quando uma corda esticada é posta em vibração, ela produz um certo som. Se o comprimento da corda vibrante for reduzido à metade, um som mais agudo é produzido, que guarda uma relação muito interessante com o primeiro. Para entender melhor o que Pitágoras fez, vamos pensar na corda dó de uma viola ou violoncelomoderno. Quando submetida a uma certa tensão, se a corda vibra em toda a sua extensão, ela produz um som de uma certa frequência, que se convencionou chamar de dó. O instrumentista varia o comprimento da corda vibrante, pondo o dedo em certas posições na corda. O que Pitágoras fez foi reduzir o comprimento da corda segundo a sequência de frações  e . A vibração do comprimento restante ( e ) produziria as notas que hoje nós chamamos de dó, sol, fá e mi.
Cordado1.jpg
Como a frequência do som produzido por uma corda vibrante é inversamente proporcional ao comprimento da corda (), se atribuímos o valor 1 à frequência fundamental da corda, as frequências  das outras notas que acabamos de obter resultam: mi = , fá = , sol = . Isso pois os comprimentos  para as notas mi, fá e sol são, respectivamente:  e .
Assim, as notas musicais são geradas a partir de relações de números simples com a frequência fundamental. Ao multiplicarmos a frequência de uma nota por 2, obtemos uma outra nota que recebe o mesmo nome da anterior. Se multiplicamos a frequência por , obtemos uma nota que guarda com a anterior uma relação harmônica tão interessante que ela recebe um nome especial: a dominante.
É claro que uma escala musical com só quatro notas como a que obtivemos acima é muito pobre, mas a verdade é que todas as notas musicais podem ser geradas a partir da dominante. Por exemplo, se quisermos saber qual é a dominante do mi, só precisamos multiplicar a frequência do mi por :
 *  = ; obtivemos assim uma outra nota, que chamamos de si.
Se multiplicarmos a frequência do fá por  obteremos a própria nota dó, provando assim que a dominante do fá é dó:  *  = 2
Já sabemos que sol é a dominante de dó; para saber qual é a dominante do próprio sol, fazemos *=. Obtemos então uma nota mais aguda que o segundo dó; dividindo sua frequência por 2 (para que ela fique na primeira gama que estamos tentando preencher), *= - obtemos assim uma outra nota, que vamos chamar de ré.
Assim, seguindo o método acima, procurando achar a dominante de cada nota obtida (multiplicando sua frequência por 3/2), acabamos por obter a escala diatônica completa:
misolsi
19/85/44/33/25/315/82
VVVVVVV
9/810/916/159/810/99/816/15
Percebemos que a dominante é o quinto grau da escala. Uma quinta acima do dó está o sol; uma quinta acima do sol está o ré; uma quinta acima do ré está o lá; assim, seguindo o ciclo das quintas, obtemos todas as notas da escala diatônica e retornamos ao dó.
Para sabermos em que ponto da corda dó o instrumentista deve pôr o dedo para obter as notas sucessivas da escala diatônica, basta olharmos a figura abaixo:
Cordado2.jpg

Intervalos

intervalo entre duas notas é definido da seguinte maneira: se a frequência de uma nota é , e a da outra é , então o intervalo entre elas é a razão . Se esta razão for igual a 2, o intervalo é chamado de oitava justa. Outros intervalos também recebem nomes especiais:  = quinta justa = quarta justa = terça maior = terça menor = tom maior = tom menor = semitom. O intervalo entre o tom maior e o tom menor, igual a 81/80, é chamado uma coma pitagórica, e é considerado o menor intervalo perceptível pelo ouvido humano.

Formação das escalas maiores

A escala que acabamos de obter também se chama a escala de dó maior. Se tivéssemos começado com a corda sol de um instrumento musical, e fizéssemos a mesmíssima divisão da corda que fizemos acima, obteríamos não mais a escala de dó maior, mas sim a escala de sol maior. A escala que criamos acima tem a seguinte distribuição de intervalos:
misolsi
VVVVVVV
tomtomsemitomtomtomtomsemitom
Suponhamos que queiramos formar uma escala que soe melodicamente igual à escala de dó maior, mas começando na nota sol.
solsimisol
VVVVVVV
tomtomsemitomtomtomsemitomtom
A escala acima não soa melodicamente igual à escala de dó maior, e é fácil ver porque. A distribuição dos semitons não é a mesma. Para que isto aconteça, uma nota da escala tem que ser alterada. Mais precisamente, o fá tem que subir um pouco para ficar mais próximo do sol e mais longe do mi. Ou seja: dizemos que o fá tem que virar fá sustenido. Resolvendo uma equação, acharemos facilmente que precisamos multiplicar a frequência desta nota por 25/24 (dividindo o intervalo da terça maior pelo intervalo da terça menor).
Definição: Sustenir uma nota é multiplicar sua frequência por 25/24.
Similarmente, se quisermos criar uma outra escala que soe melodicamente igual à escala de dó maior, mas começando na nota fá, veremos que teremos que alterar uma nota da escala. Mais precisamente, o si vai ter que virar si bemol.
Definição: Bemolizar uma nota é multiplicar sua frequência por 24/25.

Ver também


Musica é no Instrumental e Vocal Brasil | O Site Musical do BRASIL!

Instrumentos Musicais e Áudio em Itabuna,Instrumentos Musicais, Loja Virtual, Musica, Música, Guitarra, Violäo, Contra-Baixo,Bateria, Sax, Percussäo, Bahia, Ilhéus, Itabuna, Bandas,Manutenção Luthieria no Sul da Bahia, Concerto de INSTRUMENTOS MUSICAIS Bahia,Instrumementos Orquestrais em Geral,loja de instrumento musical, piano,violão,instrumentos desopro,e,outros,em,Itabuna,Instrumentos,musicais,canto#coral,técnicavocal,violão,piano,violino,violoncelo,viola,percussão,bateria,cordas,tecla,sopromusica,clássica,musica,orquestral,erudita,mpb,internacional,oriental,gospel,religiosas,ópera,lirica,compra,acessórios#musical#cantado,vocais,luteria#conserto#instrumentos,escola,loja.instrumentos,musicais,loja,virtual,musica,música,instrumentos#musicais,e,áudioguitarra,violäo,contrabaixo,bateria,sax,percussäo,bahia,ilhéus,itabuna,vitóriadaconquista,portoseguro,feira#de#santana,salvador,laurodefreitas,barreiras#nordeste,bandas,internacional,mpb,#acessos91milhoes#,#acessos#milhoes#,#acessos#milhoes#,#acessos,acessos,#acessos1bideacessos#,trilhoes,deacessos#,#acessos,#trilhoes#,#trilhoesvisualizaçoes#,#musicshowbandavozeviolão#,#voz,emociona,impressionante,#showdetalento#clássic#cuerdas,#eua,eua,filipinas,germany#,#japan#,brasil,OPontodeencontro,do,musico,brasileiro,pointmusical,brASIL,Todo,musicose,EnCONTRA,AQUI,MUSICo,brASILbrasilero,brazil#Gravaçoes,oficina de violão gratisemsalvador,amazon,afinaçaorapidaefacil,viola classica,canto lírico em vídeos no you tube, doação de um violão,musico das cordas itabuna pablo,onde da se aula de canto vitoria da conquista,doação de violino,apostila alan sales,1apostila violao instrumental, REC#lugar do MUSICO BRasileiro é aqui,todo vapor musical

Curso de Violino




Arcos para Instrumentos (Luthier)


Violino, Viola, Violoncelo e Contrabaixo, ES Brasil

Aprender Teclado Online



Curso de Teclado#Aulas

Musicos
Vocalistas
Instrumentistas
Instrumentos Musicais